Indústria reconfigura relação com o cliente, investindo no comércio eletrônico, na prestação de serviços e na promoção de experiências em casa

Um dos setores profundamente afetados pela pandemia de Covid-19 foi o de alimentos e bebidas. Por um lado, houve uma corrida ao varejo alimentar, que exigiu uma rápida resposta dos supermercados e hipermercados. Por outro, bares e restaurantes fecharam por vários meses e só agora começam a reabrir, ainda com uma série de limitações, diante da gravidade da crise sanitária desencadeada pelo novo coronavírus.

“As empresas tiveram um momento inicial muito duro. Ninguém estava preparado para reagir a uma situação dessas. A indústria de alimentos acabou tendo demanda em alta, pois, com mais gente em casa, aumentou muito a necessidade de produtos. O segmento de bebidas não alcoólicas até cresceu um pouco, mas o de alcoólicos foi muito impactado”, diz Eduardo Dias, líder de consumer goods da Accenture para a América Latina.

Entre os principais desafios (e também oportunidades) das empresas da área nesse momento está o comércio online. Na Nestlé, a demanda no canal de e-commerce cresceu quase 80% nos últimos meses, e a empresa correu para robustecer a operação digital. “Algumas das nossas unidades de negócio tiveram suas atividades alteradas em função do contexto atual, como é o caso das lojas de Nespresso. Nesse caso, o e-commerce teve papel preponderante em continuar abastecendo os consumidores enquanto as lojas estavam fechadas”, conta Frank Pflaumer, vice-presidente de marketing e comunicação da Nestlé Brasil.

O setor também precisou reconfigurar a relação com os clientes. Com os principais canais de venda fechados, muitas empresas perceberam que pouco sabiam sobre o consumidor final – que tiveram que passar a atender diretamente. “Vivemos uma crise sem precedentes. Encontrar uma forma de ser relevante para as pessoas, nesse contexto, é algo muito novo e que exige ir além do escopo tradicional do negócio”, afirma Vanessa Brandão, diretora de marketing de marcas premium do Grupo Heineken no Brasil.

Para ajudar o pequeno varejo na retomada das atividades, oito companhias do setor de alimentos e bebidas lançaram o movimento NÓS. Serão investidos R$ 370 milhões para apoiar essas PMEs em algumas frentes, incluindo reabertura segura, com foco em saúde e higiene, e reabastecimento facilitado dos estoques. A campanha que divulga o movimento é resultado de um trabalho de cocriação de três agências que atuam de forma pro bono: AlmapBBDO, DPZ e WMcCann.  

Marketing para novo contexto

A velocidade das mudanças tem feito com que as empresas se renovem, e com o Marketing não foi diferente. De saída, várias organizações abraçaram uma causa para gerar empatia – seja produzindo e distribuindo álcool em gel e máscaras, seja fazendo doações ou investimentos para apoiar parceiros de negócios. “A mensagem do Marketing, num primeiro momento, foi : ‘Somos sensíveis ao que está acontecendo no mundo e queremos ajudar’. Num segundo momento, o objetivo é não perder presença de mercado”, diz Eduardo Dias, da Accenture.

Para Vanessa Brandão, do Grupo Heineken, o papel do Marketing, agora, é o de se reinventar. “O contexto mudou radicalmente, assim como o que é importante e essencial. É preciso entender essa nova realidade e agir rápido, considerando esse novo cenário”, afirma.

Um dos fenômenos que ganhou impulso durante o isolamento social foi a prática do “faça você mesmo”. Atenta a isso, a BRF (que controla as marcas Perdigão e Sadia) passou a publicar o conteúdo produzido por seus 20 chefs internos (gravados em suas casas) nos hubs de suas principais marcas em plataformas digitais e redes sociais. “Muita coisa do ‘do it yourself’ se expandiu na pandemia. Não há como saber se isso vai continuar, mas é uma oportunidade de as empresas se apoderarem desse movimento para criar ocasiões de consumo”, afirma Dias.

Nesse sentido, a questão da inovação é um ponto importante. Muitas empresas suspenderam projetos de inovação para focar em iniciativas que atendam as necessidades mais imediatas do público. No entanto, ao se planejar para a retomada, é importante levar em conta oportunidades de inovação que podem surgir em resposta às mudanças de comportamento no pós-Covid-19.

O Marketing tem revisado suas estratégias a fim de atender o público em uma situação de exceção, com um papel fundamental do digital. Na Nestlé, todas as marcas transformaram sua comunicação e ativação em plataformas de serviço e utilidade. Nutren Senior, por exemplo, passou a compartilhar dicas sobre tecnologia. 

Movimentos que vêm pra ficar

Em meio a tantas, e tão intensas, transformações, é impossível cravar projeções para um futuro um pouco mais distante. Mas algumas tendências se impõem ou se aceleram, exigindo atenção das marcas.

E-commerce – A venda online de alimentos e bebidas direto ao consumidor veio para ficar. Provavelmente, não nos patamares observados durante o período de confinamento, mas com certeza em níveis nunca vistos no Brasil antes da pandemia.  Ao ganhar força, o e-commerce oferece comodidade ao cliente e ajuda os pequenos negócios a se manter. A evolução dessa forma de relacionamento entre empresas e consumidores é algo que deve permanecer. Também no B2B o comércio eletrônico deve se fortalecer como canal de abastecimento para o pequeno varejo, incentivando o comerciante a fazer suas compras sem depender de um vendedor e contando com ferramentas para gerenciamento de pedidos e estoques.

Omnichannel – O omnichannel vai imperar, o que tornará imprescindível contar com uma boa plataforma tecnológica para entender quem é o cliente e sua jornada de consumo. Isso levará a uma busca maior por serviços em nuvem – um movimento que já vinha acontecendo e se intensifica. Com mais recursos tecnológicos, o ecossistema ficará mais interligado, permitindo operações conjuntas de B2B e D2C (direct to consumer).

Conveniência e controle – São pontos em evidência nas principais tendências globais de consumo de 2020, de acordo com o relatório Tendências de Consumo 2020, da consultoria Euromonitor. O estudo aponta que as empresas, tradicionalmente, posicionavam suas marcas para consumo em determinados momentos do dia. Hoje, ganha espaço quem mostra como seu produto atende uma necessidade específica do consumidor. Cada vez mais, as decisões de compra serão baseadas em estados de necessidade personalizados. Para atender estas demandas, a funcionalidade vai cruzar categorias, em especial no caso de bebidas alcóolicas e refrigerantes.

Autocuidado – É uma extensão dos movimentos de “saúde holística”, mas também do desejo de alimentos que, além de serem saudáveis, façam a pessoa se sentir bem ao consumi-los. Essa tendência está relacionada a estilo de vida. Por exemplo, a geração Z está sempre em movimento e gosta de bebidas saudáveis. A geração X costuma ser mais autoindulgente, muitas vezes preferindo comprar comida semipronta ou para esquentar no microondas. “Um movimento que assistimos, e acreditamos que deve continuar, é a busca por alimentos que aumentem a imunidade e a saúde geral, com muito foco em nutrição e bem-estar”, afirma Frank Pflaumer, da Nestlé.

Parcerias – As medidas de isolamento social foram o empurrão que faltava para as vendas online de alimentos e bebidas deslancharem. Como consequência, vem crescendo a demanda por serviços em nuvem, tanto para dar conta do tráfego como para a coleta de dados. No âmbito da logística, o fator-chave é agilizar a entrega dos produtos, em especial os perecíveis. Aí entram as parcerias, como a que a Mondelez firmou com o Uber para a entrega de produtos durante a Páscoa.

 

Live commerce: conheça essa tendência promissora do e-commerce

O live commerce é uma estratégia que usa da interação proporcionada pelo streaming de lives para propiciar e alavancar vendas. Por meio desse “comércio ao vivo”, o vendedor promove produtos, serviços e todo o ecossistema de e-commerce.

Você pode até não saber, mas provavelmente já se deparou com uma estratégia de venda live commerce enquanto navegava pela internet. Talvez tenha até ido além e chegado a realizar uma compra por meio dessa modalidade.

Em um mundo cada vez mais conectado, novas tendências como o Live Commerce já não são mais surpresa. As vendas pela Internet estão se reinventando diariamente e encontrando novas formas de chegar até o consumidor e, principalmente, engajá-lo.

Abordaremos neste artigo mais detalhadamente sobre o que é o live commerce, por que é uma tendência tão relevante no e-commerce e, claro, o principal: como alavancar as suas vendas através dessa modalidade.

Afinal, o que é o live commerce?

Conforme já citamos no início deste texto e como o próprio nome já diz, o live commerce é uma modalidade de venda que une o live streaming com o comércio eletrônico. A estratégia tem origem na China, mas já se espalhou mundo afora.

O grande trunfo dessa modalidade é a interação proporcionada pela transmissão ao vivo, que possibilita que vendedor e consumidor tenha uma maior proximidade que resulta em um maior engajamento e, consequentemente, maior conversão.

Para aproveitar disso, as marcas e os sites convidam vendedores treinados, influenciadores e/ou blogueiros para criar um verdadeiro “buzz” em torno dos produtos anunciados.

Utilizando de gatilhos mentais como a escassez e a urgência (“o desconto é só hoje!”) ou até mesmo a autoridade, esses promotores são grandes diferenciais para a conversão.

Além disso, é interessante destacar também que esses vendedores não estão ali apenas para promover o produto e propiciar vendas.

São, também, um entretenimento; mas, principalmente, podem ter um papel primordial para a conversão: têm o poder de instruir o consumidor de como comprar da maneira correta e segura, transmitindo segurança e confiança – além de convencer, é claro.

Na China, onde a modalidade surgiu, já existem mais de 1.000 sites de streaming ao vivo. No Dia dos Solteiros de 2019, que ocorre em 11 de novembro e é uma das maiores datas do ano para o comércio do país, os vendedores do gigante Alibaba (que detém os sites Tmall e AliExpress) atingiram quase US$ 3 bilhões em vendas.

Quem usa o live commerce?

O live commerce existe desde 2014 e já é uma tendência forte na China pelo menos desde 2017, como já citamos aqui. Em setembro daquele ano, a TMON, player de comércio eletrônico da Ásia, lançou o próprio serviço ao vivo e os resultados foram surpreendentes: taxa de conversão de 21% e um aumento de 130 vezes na receita!

Posteriormente, o fenômeno foi chegando no Brasil aos poucos. Mas foi em 2020, durante a pandemia do coronavírus, que essa modalidade realmente explodiu em terras brasileiras. Afinal, diante da quarentena e do isolamento, as marcas e a indústria precisaram se reinventar.

Surfando na onda das lives, o Grupo Soma, que detém as grifes Farm e Animale, foi grande destaque no live commerce. Nas transmissões, apresentadores e influenciadores discutiram e experimentaram as peças das lojas, que podiam ser compradas por meio de uma aba ao lado do vídeo.

Além de descontos, as lives do grupo também ofereciam peças exclusivas e tiravam dúvidas por meio de um chat. O resultado foi incrível: de acordo com a própria empresa, as quatro primeiras transmissões movimentaram R$ 3 milhões.

A Americanas.com também entrou com tudo para essa tendência em 2020. Batizadas de “Americanas Ao Vivo“, foram várias lives promovidas com influenciadores relacionados aos inúmeros produtos vendidos no site da empresa.

Bom para as marcas, bom para as lojas, bom para o consumidor

Além do aumento nas taxas de conversão e de vendas, o live commerce vem se mostrando como uma tendência promissora para todo o ecossistema do e-commerce.

Em primeiro lugar, o levantamento da Wyzowl, traz informações relevantes:

  • 96% dos usuários assistem um vídeo de explicação para entender melhor sobre um produto ou serviço;
  • 84% dizem que se sentem convencidas a comprar um produto após assistir um vídeo da marca;
  • 66% afirmam que preferem se informar sobre um produto por meio de vídeo.

Nesse caso, trata-se de um conteúdo muito valioso que responde a várias perguntas do consumidor.

Em segundo lugar, faz com que o usuário passe mais tempo na página e isso pode gerar resultados como aumento do ticket médio da compra. Por fim, também é uma forma de atrair novos consumidores para sua marca por meio desse conteúdo valioso.

Ademais, também vale ressaltar que o live commerce é bom para todo mundo! Pode ser utilizado por lojas para impulsionar as próprias plataformas de e-commerce, como foi o caso da Americanas.com e do Grupo Soma, como já citamos, bem como para marcas e indústria.

Vale citar o caso da Lacta, que promoveu seus próprios produtos em uma live do cantor Roberto Carlos no Dia das Mães. O consumidor foi redirecionado para que pudesse escolher a loja online de preferência e ainda houve uma parceria com as Americanas e a AME Digital de 100% de cashback no frete para impulsionar ainda mais as vendas.

Desafios das lives

Apesar de muito promissor, as lives commerce impõe alguns desafios para serem produzidas. No entanto, a boa notícia é que podem ser facilmente superados.

Primeiramente, desafios técnicos: produzir uma live pode ser algo complexo e envolver diversas tecnologias. Além de, claro, exigir uma equipe robusta para prepará-la, com profissionais de marketing, criativos, etc.

Por consequência, as live commerce podem significar um investimento alto. Apesar disso, como mostram os diversos exemplos que citamos aqui, vem sendo uma modalidade promissora para alavancar vendas.

Desafios do e-commerce

Além dos desafios impostos pela produção de uma live, é preciso também estar de olho para que o e-commerce esteja preparado para receber esse alto fluxo de clientes.

Em primeiro lugar, é preciso manter o produto sempre em estoque. Por isso, há ferramentas inteligentes, como o 2Buy, que direcionam os consumidores para os centros de distribuição mais próximos e que possuem o produto escolhido em estoque, afastando as grandes perdas geradas pela indisponibilidade de estoque. Nas lives isso pode acontecer por meio de um QR Code, por exemplo.

Direcionar o consumidor para o varejo significa um tráfego muito qualificado e pode também significar parcerias ainda mais positivas – principalmente se bem executadas.

Gostou do conteúdo? Então, clique aqui para conhecer mais o 2Buy, exemplo de ferramenta inteligente que transforma os esforços de marketing em vendas no e-commerce!

Fonte: https://goadmedia.com.br/negocios/alimentos-e-bebidas-foco-no-na-relevancia-para-o-consumidor/

Open chat